Pular para o menu
1380637124
Não é só por salários e condições de trabalho

Paralisação na sede administrativa da Petrobrás em Natal dá início à greve nacional de 24 horas

Movimento também reivindica arquivamento do PL 4330 e cancelamento do leilão de Libra

01 de October de 2013 às 11:18

destaque

Foto: Gilson Sá

Os petroleiros lotados na sede administrativa da Petrobrás em Natal paralisaram as atividades nesta terça-feira, 1º de outubro. A mobilização foi apoiada por trabalhadores do Polo Industrial de Guamaré, das plataformas marítimas e do Ativo de Produção de Alto do Rodrigues, que atrasaram seus respectivos embarques.

O movimento integra o calendário de mobilizações aprovado pelo Conselho Deliberativo da Federação Única dos Petroleiros – FUP – e reivindica que a Companhia apresente imediatamente uma contraproposta visando à celebração do Acordo Coletivo de Trabalho – ACT 2013/2015.

A pauta reivindicatória dos trabalhadores foi protocolada junto à Petrobrás em 6 de agosto. A data-base da categoria é 1º de setembro e nesse período já foram realizadas diversas reuniões com o propósito de apresentar as cláusulas defendidas pela categoria.

No próximo domingo, 6 de outubro, serão completados dois meses de espera. O tempo é considerado mais que suficiente para que a Empresa apresentasse uma contraproposta satisfatória.

Feriado - Apesar do feriado estadual – Dia dos Mártires de Cunhaú e Uruaçu, os petroleiros norte-rio-grandenses não estarão fora da greve nacional de 24 horas agendada pela FUP e sindicatos filiados para o dia 3 de outubro.

Nas áreas operacionais, a paralisação está mantida e será realizada na próxima quinta-feira. Já, nas áreas administrativas, tal como está ocorrendo em Natal, a mobilização será reprogramada, de forma a permitir com que o conjunto da categoria petroleira possa se manifestar.

A ideia é mobilizar todas as áreas a fim de somar com os protestos organizados nos demais estados, demonstrando unidade de ação e disposição de luta. Aprovada em todas as assembleias realizadas nas principais bases da Petrobrás no RN, a greve também reivindica o arquivamento do PL 4330 e o cancelamento do leilão de Libra.

 

Compartilhar: