Pular para o menu
1591818889
Eleições 2020

SINDIPETRO-RN anuncia desincompatibilização de dois dirigentes sindicais que vão se candidatar

10 de June de 2020 às 16:54

destaque

Foto: Arquivo

Tomaram posse no último dia 3 de junho de 2020 um novo coordenador geral e um novo secretário geral no SINDIPETRO-RN. O motivo foi a desincompatibilização dos dirigentes antecessores nestes cargos foi a intenção de pleitear candidaturas a nível municipal em Natal e Mossoró, nas próximas eleições.

Em lei, para um dirigente sindical que ocupa o cargo de Presidente/Vice-Presidente, ou cargos equivalentes, o prazo de afastamento é de 4 (quatro) meses antes das eleições. Em princípio, levando-se em consideração a circunstância de que a contribuição sindical perdeu seu caráter compulsório, não deveria haver mais a necessidade de desincompatibilização, contudo, ainda permanece vigente a Resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nº 18.019/1992, que re-ratificam as Resoluções nºs 17.964 e 17.966, sobre a necessidade licença, nos parecer ser prudente pedido de licença/desincompatibilização como forma de afastar o risco de eventual inelegibilidade.

Por isso, a diretoria colegiada do Sindicato dos Petroleiros e Petroleiras do Rio Grande do Norte escolheu os novos ocupantes destes postos, por meio de uma votação interna, realizada via internet, no dia 2 de junho.

Para o cargo de coordenador, saiu Ivis Corsino e tomou posse Rafael Matos (Téc. Operações em Termoelétrica, na empresa desde 2008). E para a secretaria geral, saiu Pero Lúcio e entrou Marcos Brasil (Contador Pleno da Contrib).

Tendo em vista que o Sindicato ainda será dirigido pela mesma chapa eleita para o triênio 2018/2021, composta por uma ampla e coesa diretoria colegiada, desde o início comprometida com a formação e a renovação do quadro de diretores, o novo coordenador geral do SINDIPETRO-RN, Rafael Matos, destaca que “as ações continuarão com o mesmo compromisso de antes, além da busca constante por melhorias de ações desenvolvidas pela entidade para fortalecer a luta por justiça social e a defesa de diretos da categoria petroleira”.

Compartilhar: